Campos de experiências e projetos pedagógicos na creche

Campos de experiências e projetos pedagógicos na creche

Texto adaptado do livro "Bebês na escola: observação, sensibilidade e experiências essenciais" (CAIRUGA, Rosana Rego et al. (Orgs) 

A organização das experiências e vivências em projetos pode propiciar diferentes temáticas emanadas da observação e dos questionamentos de situações cotidianas, como, por exemplo, o desenvolvimento corporal do bebê pode sugerir um projeto denominado “Movimento”, ou a necessidade de se construir uma rotina para uma turma sugerir o projeto “Construindo uma rotina com bebês”, ou outras temáticas, como a necessidade vital de brincarem com o seu corpo, a musicalidade que eles demonstram, as ações sobre os objetos e o desenvolvimento da linguagem.
Vejamos um exemplo de projeto desenvolvido com bebês:

Projeto: Brincarte – brincando e experienciando a arte

Professora Cybelle Caroni 

Classe Bebê 2: crianças de um a dois anos

Tema: artes e desenvolvimento da linguagem (Traços, sons, cores e formas; oralidade e escrita, segundo a BNCC/2018)

 

Justificativa: a partir das brincadeiras e explorações feitas em sala de aula, pude perceber que a turma da Classe Bebê 2 tem especial prazer em explorar e manusear diferentes materiais, permanecendo por longo tempo na mesma atividade, compartilhando objetos e fazendo brincadeiras com seus pares. Sabendo que uma das necessidades de crianças dessa faixa etária também é a de explorar o seu entorno natural e social (VILA; CARDO, 2005), resolvi fazer um projeto que desse vazão a essa curiosidade, satisfazendo e intensificando, assim, essa exploração, essa busca quase incessante pelo conhecimento evidenciada quando examinam, atuam (sobre) e observam as reações dos objetos. Para isso, selecionei várias atividades que as levassem a desenvolver os sentidos e a motricidade (desenvolvimento sensório-motor), assim como a linguagem oral e as diferentes linguagens expressivas, à medida que as crianças exploram, pesquisam, fazem escolhas, experimentam, brincam e estabelecem relações entre os materiais e objetos, entre tantas outras coisas.
 

Experiências essenciais

Socioemocional: vivência de novas experiências e materiais com o apoio de um adulto.

Linguagem: exploração e nomeação de objetos, alimentos, animais e partes do corpo; manuseio e audição de histórias de livros infantis e manuseio de revistas com imagens e de fotografias. 

Linguagem visual: exploração de diferentes materiais (de sucata, plásticos, de madeira, etc.) e de materiais de expressão artística de diferentes cores, tamanhos, cheiros, formas, texturas, densidades, etc.); exploração de diferentes papéis (amassando, rasgando, etc.), de materiais de artes, (diferentes cores e uso técnicas simples), e de efeitos de luz e sombra (com lanternas).

Representação: audição de canções com diferentes ritmos e melodias; produção de desenhos, pinturas, colagens, etc.

Classificação e quantificação: organização/seleção de objetos variados segundo a percepção das cores e segundo atributos como tamanho, forma, outros; experimentação do conceito de “mais e menos” objetos.

Espaço: exploração e localização de objetos e elementos em imagens, com o uso das expressões em cima, embaixo, perto, longe, dentro, fora; realização de ações de montar, desmontar, juntar, separar, encher, esvaziar.

Motricidade: exploração, com o corpo, de diferentes materiais, como bolas, mangueiras, bambolês, cordas, tecidos, papéis e cones de diferentes texturas, tamanhos e espessuras; experimentação de movimentos com diferentes partes do corpo e de todo corpo, e em diferentes ritmos (segurar, agarrar e movimentar objetos, dançar, rebolar, deslocar-se, andar, correr, equilibrar-se, etc.); deslocar diferentes objetos no espaço; visualizar a imagem do seu corpo em movimento em espelhos, fazendo também imitações.

Fenômenos químicos e físicos: exploração das características físicas dos objetos (forma, tamanho, cor, peso, comprimento, etc.); experimentação sensorial de sabor, cheiro, som, textura, temperatura, luz, etc.

Som: audição de diferentes tipos de sons, a partir de várias fontes sonoras (brinquedos, sons naturais, carros, equipamentos eletrônicos, etc.); realização de brincadeiras musicais e de movimentos corporais a partir de músicas.

 

Situações de aprendizagem

– Exploração e manuseio pelos bebês do “cesto dos tesouros”, contendo diferentes alimentos, brinquedos, materiais e/ou objetos (da natureza, de casa, de papelaria, etc.) de diferentes características (textura, peso, temperatura, tamanho, forma, som, gosto, volume, etc.).

– Audição de CDs com músicas de diferentes ritmos (ritmos brasileiros e ritmos do mundo).

– Audição de CDs com sons diversos (animais, espirros, risos, ranger de portas, etc.), com a realização de “bingo sonoro”.

– Realização de brincadeiras com bolhas de sabão e balões. 

– Realização de brincadeiras musicais (movimentação + músicas de estilos diferentes).

– Confecção com eles do “livro dos cheiros” e do “livro das texturas”.

– Confecção e exploração do túnel (ou pirâmide) das lãs.

– Confecção e exploração do “varal dos sons” (com guizos, papéis, panelas, garrafas, colheres, sinos, etc.);

– Degustação e exploração de diferentes alimentos em termos de sabor, pesos, texturas, cor, volume e aromas, em chás, ervas, frutas, verduras e legumes, que podem deixar impressões em diversos tipos de materiais e objetos, como tecidos, papéis e latas.

– Exploração de diferentes papéis (celofane, camurça, ondulado, higiênico, vegetal, etc.);

– Exploração de diferentes materiais, como giz de cera e de quadro, colas (glitter, guache, ovo, gelatina e chás), tintas (industrializadas, perfumadas com limão ou cravo, por exemplo, e/ou com texturas, com grãos de café ou folhas, por exemplo), terra, areia, água fria e morna, farináceos, molhos de alimentos, diferentes tipos de massas, mangueiras, caixas, latas e rolos de papelão.

– Exploração de sons, produzidos com diferentes materiais (panelas, talheres, latas, etc.).

– Exploração de imagens de obras de arte (de Aldemir Martins, Romero Britto, Alfredo Volpi, Cândido Portinari, entre outras) com temas/motivos adequados aos bebês.

– Exploração de imagens da natureza (árvores, flores, animais, etc.).

– Exploração de texturas e temperaturas caminhando sobre diferentes materiais ou manuseando-os (algodão, grãos, pastas e massas, areia, tecidos, penas, etc.).

– Exploração de espumas e/ou esponjas coloridas (com e sem água e/ou sabão).

– Exploração de espuma comestível (tal como clara de ovos batidas com açúcar).

– Gravação e audição da voz e de diferentes sons produzidos na sala e nos demais ambientes.

– Exposição de fotos e materiais produzidos pelos bebês no espaço Com-Viver e durante a Feira do Livro da escola. 

 

Avaliação: os bebês são observados e acompanhados quanto à sua participação, interesse e envolvimento nas atividades. A exploração dos materiais e o envolvimento nas situações propostas serão demonstrações de alcance por eles dos objetivos pretendidos em termos de vivência das experiências propostas.

Em respeito ao desenvolvimento das crianças nessa faixa etária, é necessário que suas experiências e conhecimentos prévios sejam reconhecidos e valorizados, sendo o afeto e as relações interpessoais vias importantes para impulsionar novas aprendizagens. A expressão gestual, corporal, gráfica, musical e linguística devem ser enfatizadas no desenvolvimento do trabalho. O faz de conta, a imaginação, as sensações e a experimentação são vias fundamentais para as diferentes aprendizagens nas primeiras etapas do desenvolvimento infantil.
Dessa forma, as “dimensões ser, brincar e aprender” são indissociáveis e integradas, não havendo prevalência de uma sobre a outra e, sim, uma visão integral da criança. (...) 
 

 

carregando...